Sentimento de Mercado – Déjà vu

Marco Silva

Marco Silva

, Actualidade

Com o início da reunião do FED, de onde se espera que saia mais uma subida de 0,25% nos juros do banco central norte-americano, era expectável que o comportamento sectorial ontem no S&P500 reflectisse essa realidade, e assim foi com o sector financeiro, o mais beneficiado com o movimento de tightening, a começar a sessão em alta enquanto que as utilities, o grupo mais negativamente afectado pelo aumento dos custos financeiros, abriu em baixa pronunciada. Pessimismo este que ao longo do dia foi acompanhado por uma boa parte dos restantes sectores, incluindo as financeiras, não obstante a taxa de juro das obrigações de tesouro norte-americanas a 10 anos ter atingido os 3,11%, perto do máximo do ano. As tecnológicas que recuperaram de uma queda na primeira hora da sessão acabaram com uma perda ligeira no S&P500, enquanto que o Nasdaq registou a única valorização do dia, embora que ligeira, um desfecho muito similar ao da sessão anterior.

Em alta esteve o sector refúgio das retalhistas de produtos essenciais e as energéticas, estás últimas a beneficiar da subida de 0,3% do WTI crude para os $72.28 por barril, no rescaldo da reunião da OPEP que deixou tudo como estava, sendo de prever uma limitação do crude disponível devido à redução da produção pelo Irão, a braços com as sanções impostas pelos EUA. Irão que foi alvo das críticas de Trump na sua declaração ontem nas Nações Unidas, referindo igualmente que não irá tolerar “abusos no comércio”, o que reforçou o pessimismo de uma possível escalda do conflito comercial que os EUA têm com diversos países, concretamente com as principais economias mundiais, se bem que em diversos escalões de intensidade.

O U.S dólar voltou a estar relativamente forte face às outras principais moedas, contudo não tão forte como a Libra inglesa, que avançou 0,5% para os $1.3185, enquanto que o Yen recuou -0.1% para os 112.94, ou seja, apesar do pessimismo não foi evidente uma procura extra por activos refúgio. Para hoje é de esperar alguma volatilidade acrescida dado que será o final da reunião do FED, de onde sairá uma declaração, que terá como relevante, não apenas o destino da taxa de juro, mas principalmente o futuro de curto-médio prazo do tightening, dado as incógnitas que rodeiam a economia norte-americana, nomeadamente a guerra comercial.

A análise ao sentimento de mercado é patrocinada por Activtrades

Deixe uma resposta