Sentimento de mercado – Época de resultados acelera agora a todo o vapor

Marco Silva

Marco Silva

, Actualidade

Com quase setecentas empresas dos vários índices norte-americanos a reportarem resultados esta semana, que faz dela a terceira mais movimentada antes da principal que será a próxima semana, a época de resultados entra na sua fase mais importante com quase as mesmas incertezas presentes no sentimento dos investidores, como as que tinham aquando do início da earnings season, ou seja será o trimestre que passou o primeiro de contracção de lucros desde meados de 2016, e trará o resto do ano um cenário mais risonho? No S&P500 com setenta e sete empresas a já terem prestado contas aos seus accionistas o panorama é à partida francamente bullish com 78% delas a baterem as previsões de lucros, contra a média de longo prazo que anda nos 65%, contudo tal não destoa do que tem sido habitual nos últimos anos, que é um início bastante forte com uma percentagem superior à média de surpresas, mas que depois recua para os valores medianos, sendo que tem sido também norma previsões mais cautelosas, o que provoca depois um maior número de resultados acima das expectativas, isto para dizer que pouco ou nada se pode aferir para já deste valor optimista.
Valor esse a que os investidores também não deram muita relevância visto que no global da semana o comportamento de Wall Street continuou a ser pouco entusiasmante com o S&P500 a registar mesmo uma queda, embora que marginal de -0,1%, ao passo que Dow Jones e Nasdaq adicionaram 0.6% e 0.2% respectivamente. É certo que boa parte da pressão negativa adveio do sector da saúde, que liderou as perdas ao averbar um deslize superior a -4%, devido a receios com a intenção dos Democratas na aprovação do Medicare for All, que poderá condicionar o espaço dos privados no sector.
Mas apesar deste facto foi notória a falta de vontade dos bulls em usarem alguns bons resultados empresariais e económicos para puxar por exemplo o S&P500 para novos máximos, nem mesmo a subida acima do esperado das vendas a retalho nos EUA, nos 1,6% vs os 1% previstos, foi suficiente para quebrar o enguiço, não obstante ter permitido ao U.S dólar um dia de ganhos razoáveis ao valorizar 0,4% contra um cabaz de outras moedas principais, subida da moeda norte-americana que empurrou o Euro para uma perda de -0.6%, terminando a moeda única nos $1.12. 
Esta será quase certamente uma semana bem mais mexida que a precedente, contudo é de esperar alguma letargia hoje visto que algumas praças ainda se encontram fechadas.


A análise ao sentimento de mercado é patrocinada por Activtrades

Deixe uma resposta