Sentimento de Mercado (21/9) – FED desvenda futuro

Actualidade

Actualidade

, Actualidade

Pelo registo final de Wall Street, a sessão de ontem poderia aparentemente não ter tido grande interesse. O comportamento dos índices foi muito similar ao dos dois dias anteriores, com o S&P500 a variar apenas 0,3% em 5 sessões, ou seja quase inamovível. Contudo, foi um dia extremamente importante para o esclarecimento do futuro do programa de normalização da politica monetária do FED, isto porque para além de quase garantir uma nova subida dos juros em Dezembro, mantiveram-se as perspectivas para três novos aumentos em 2018 e colocou-se pela primeira vez uma data para o inicio da diminuição do gigantesco balanço (cerca de $4,5 triliões) que o banco central norte-americano detém. O programa agora conhecido vai de encontro ao que tinha sido referido em Junho. A partir de Outubro, e quase dez anos após o início dos programas de estímulos, a redução da liquidez entretanto injectada no sistema irá começar, embora que a um ritmo muito lento. $10 biliões por mês, aumentado de três em três meses até aos $50 biliões por mês.

O ritmo, propositadamente cauteloso, tranquilizou o mercado, que não vê grande risco de consequências negativas do movimento que irá ser iniciado. Também a posição já indicada há algum tempo pelo FED, de flexibilidade de decisão quanto a agir sem pressas no questão dos juros, tem transmitido a confiança necessária para a estabilidade no sentimento de optimismo que tem vigorado nos mercado, ultrapassando mesmo os riscos geopolíticos. Este facto permitiu ao S&P500 terminar mais uma vez em máximos históricos, se bem que por uma margem muito reduzida. Com as perspectivas de juros mais elevados, não foi surpresa a valorização de 0,62% do sector financeiro nem tão pouco do U.S dólar, que valorizou 0,5% contra um cabaz de outras moedas principais, ganhando quase o dobro desse valor contra o Euro para os $1.1885, a passo que o Yen recuou -0,5% para os 112.16. Este movimento de fortalecimento da moeda norte-americana poderá continuar, caso não ocorra nada de inesperadamente negativo, uma vez que é agora bastante mais claro que a redução dos estímulos tem principio marcado e que os juros irão continuar a subir, conforme o previsto anteriormente.

 

A análise ao sentimento de mercado é patrocinada por Activtrades

Deixe uma resposta