Sentimento de Mercado – Dias de trade

Marco Silva

Marco Silva

, Actualidade
Se há algo que os traders não se podem queixar desde Fevereiro é de falta de volatilidade, com efeito, desde então o S&P500 fez mais inversões de amplitude superior a 1% do que nos últimos dois anos, na realidade foram raros os dias em tal não aconteceu, criando oportunidades de negócio no intraday como já não existiam desde que os Bulls tomaram conta das operações e encetaram uma subida quase ininterrupta que culminou com os máximos de Janeiro. Ontem após uma abertura em baixa acentuada, que atingiu os -1.5% o S&P500 terminou com um ganho de 1,16%, sendo acompanhado pelos seus parceiros de Wall Street com 0,96% e 1,46% no Dow Jones e Nasdaq, respectivamente. Com a imposição de tarifas por parte da China, em resposta às impostas por Trump àquele país, o sector dos metais esteve ontem sobre pressão vendedora acentuada logo no inicio da sessão, conseguindo no entanto encerrar o dia com uma valorização de 0,65%, ainda assim bem abaixo da média.
Mas melhor que as energéticas, que contrariamente à performance de terça-feira foram ontem o pior grupo no S&P500 com uma desvalorização de -0.14%, mais um movimento de consolidação que outra coisa, visto que o preço do crude se manteve praticamente inalterado. No Forex o dia continuou calmo, com o U.S dólar a recuar apenas -0.1% enquanto que o Yen voltou a ceder terreno com a menor procura por activos refúgio, o que veio a ditar uma queda do valor da moeda nipónica de -0.2% para os 106.80. Para o hoje e na ausência de qualquer tweet provocador de Trump, o sentimento poderá estar um pouco mais calmo e cauteloso, com os investidores a preferir as linhas laterais na véspera dos non-farm payrolls.

A análise ao sentimento de mercado é patrocinada por Activtrades

Deixe uma resposta