Sentimento de mercado – Tecnológicas e industriais de costas voltadas

Marco Silva

Marco Silva

, Actualidade

Depois do pior Dezembro dos últimos 87% para os Bulls no S&P500, o novo ano trouxe de volta o optimismo e o mesmo índice arrancou o melhor Janeiro dos últimos 30 anos, tudo por causa de uma reviravolta na mentalidade do FED como há muito não acontecia. Com efeito depois de a 3 de Outubro o presidente da FED ter afirmado que a neutralidade na taxa de juro ainda estava longe, o que deu início ao movimento de correcção de Outubro, e depois de ter afirmado em 19 de Dezembro que a redução do balanço do banco central norte-americano estaria em piloto automático, Jerome Powell começou a dar sinais de viragem logo no início deste ano com uma indicação de que afinal o ritmo da redução do balanço ainda não estava pré-definido, ficando para a quarta-feira passada a confirmação de que os investidores teriam agora uma FED bem mais dovish que a realidade de alguns meses, facto que deu um bom impulso aos Bulls para a sessão de quinta-feira, sendo no entanto algo dúbio se a pouca confiança dos investidores numa maior normalização da política monetária não será em si um dado bearish, até porque caso o balanço fique nos $3,5 triliões como é esperado, tal será cerca de $2,5 triliões acima do que exista pré crise financeira de 2008.
Ontem e depois dos bons resultados da Apple foi a vez da Facebook atropelar as expectativas, batendo nos lucros, receitas e atingindo o número de utilizadores previsto, um facto digno de registo tendo em conta que foi sem dúvida o ano de maior adversidade pública para a empresa, que para além do mais aumentou em cerca de 30% as receitas por utilizador. Igualmente bullish foram os resultados da General Electric, empresa que tem sido fortemente castigada nos últimos anos devido à sua incapacidade em se adaptar à nova realidade económica mundial. do lado negativo destaque para a Dupont, que afundou um pouco mais de -9% por desiludir na apresentação de resultados, em boa parte devido à baixa do preço do crude. Esta performance aliada à da Microsoft e da Visa que cederam mais de -1,5% causaram uma notável clivagem entre índices, com o Nasdaq a subir 1.37% enquanto que o industrial Dow Jones recuou -0.06%.
No Forex o dia foi relativamente calmo com destaque para a queda do valor do Euro, que empurrou o principal par mundial, o EUR/USD para um deslize de -0,3% nos $1.1444. Para hoje há a realçar um eventual comportamento negativo nos títulos da Amazon, caso a sessão confirme a tendência dos negócios no after-hours, depois da empresa ter divulgado um outlook menos optimista e não obstante ter batido nos lucros e receitas do trimestre passado.


A análise ao sentimento de mercado é patrocinada por Activtrades

Deixe uma resposta