Seul abandona acordo sobre partilha de informações militares com o Japão

Agência Lusa

Agência Lusa

, Notícias

A Coreia do Sul anunciou hoje que vai abandonar o acordo sobre partilha de informações militares com o Japão, agravando-se desta forma a tensão diplomática e comercial entre os dois países.

Seul decidiu “pôr fim” ao acordo conhecido como “GSOMIA”, anunciou Kim You-geun, diretor-adjunto do Gabinete de Segurança Nacional, sob a tutela do gabinete do chefe de Estado da Coreia do Sul.

“Vamos informar o governo japonês através dos canais diplomáticos”, acrescentou Kim You-geun.

As relações entre Tóquio e Seul agravaram-se devido ao antigo contencioso sobre a ocupação da Península da Coreia pelo Japão entre 1910 e 1945.

As tensões entre os dois países é igualmente um problema para os Estados Unidos que conta com a cooperação entre o Japão e a Coreia do Sul nos assuntos relacionados a Coreia do Norte e República Popular da China.

Os atritos entre Tóquio e Seul agravaram-se sobretudo nas últimas semanas, após os tribunais sul-coreanos terem exigido compensações às empresas japoneses que obrigaram cidadãos sul-coreanos ao regime de trabalho forçado durante a ocupação que se prolongou até ao final da II Guerra Mundial.

No dia 02 de agosto Tóquio reagiu decidindo afastar a Coreia do Sul da lista de países que beneficiam de estatuto comercial favorável no Japão.

A medida foi encarada como a imposição de uma sanção económica pela Coreia do Sul.

Kim You-guen disse hoje que a decisão de 02 de agosto “não foi devidamente justificada” pelo Japão.

O mesmo responsável acrescentou que Tóquio demonstrou falta de confiança em relação à Coreia do Sul pondo em risco “relações importantes” no âmbito da cooperação na área da defesa.

Neste contexto, Seul decidiu abandonar o acordo sobre partilha de informações militares entre os dois países que foi alcançado em novembro de 2016 sob a égide dos Estados Unidos.

Um dos pontos considerados essenciais do acordo era melhoria da coordenação na obtenção de informações sobre o regime de Pyongyang e as atividades sobre o programa nuclear da Coreia do Norte.

PSP // ANP

Lusa/fim

Deixe uma resposta