Sonae SGPS – Análise Semanal

Tiago Esteves

Mais uma vez, uma acção do grupo Sonae foi a vencedora da sondagem. Dada a correlação positiva entre elas, as análises têm bastantes semelhanças, por isso vou saltar alguns pormenores de que já falei quando analisei a Sonae Industria.
Vou começar por olhar para o gráfico de longo prazo, onde se podem ver dois pormenores bastante interessantes. Um deles é a amplitude de movimentos do título. Subidas apiculadas nos bull markets, quedas exponenciais nos bear markets. Isso transforma-a num título bastante especulativo (com todas as vantagens e desvantagens que essa situação acarreta). O outro pormenor de que queria falar tem a ver com o último bear market e o seu fundo. Tenho visto muita gente a entrar nela nos últimos tempos “porque já caiu muito” ou “porque tem muito potencial e está a ser demasiadamente penalizada”. Como se pode ver no gráfico, o último bear dela (e não só) durou cerca de 3 anos e a desvalorização desde o pico foi de aproximadamente 88%. Neste momento estamos com 1 ano e três meses de bear e as quedas rondam os 71%. Visto que o pico em ambos os bulls foi atingido em valores muito semelhantes, a analogia entre os dois movimentos é inevitável (e até salutar, a bem da verdade). Não estou a dizer que ela vai cair até aos 0,2 novamente, ainda é cedo para falar nisso. Mas mais cedo ainda será falar em reviravolta ou em entrada longa. É completamente errado neste momento fazer uma entrada longa, sem o mínimo sinal de inversão.
Vamos dar uma vista de olhos à parte técnica, para aprofundar esses sinais.
Tal como a SONI, entre o mês de Julho e Setembro construiu um triângulo simétrico. Eu tinha referido na outra análise que em caso de quebra em baixa do triângulo, o título ficaria em muitos maus lençóis. Eu tinha também dito que a projecção não se fazia como nas bandeiras e pennants mas não tinha explicado como se fazia. Pois bem, nestes casos a projecção é feita com base na amplitude do triângulo, (a referência é o primeiro toque na LTa que define a base). Neste caso a projecção rondaria os 0,5€.
Pelo menos nos próximos tempos, será de esperar que a zona entre os 0,5-0,55 sustenham a cotação, por serem uma zona de suporte considerável. Embora o suporte seja já bastante antigo, é a única referência num título em mínimos de longa data (pelo menos para os AT’s).
Pontos de entrada: Para quem está a pensar entrar curto (já que pelo menos aqui AINDA se consegue) pode ser agora uma má altura, pois estamos com os pontos de stop-loss distantes e cada cêntimo de movimento corresponde a uma percentagem bastante significativa. O ponto de entrada curta mais indicado seria após a quebra do triângulo. Agora, só uma visita aos 0,61 ou mesmo uma aproximação à base do triângulo dariam entradas curtas mais ou menos seguras. De salientar também que a correlação com o mercado americano é bastante elevada nas acções do grupo Sonae e qualquer noticia das “habituais” a pode deixar bastante volátil.
Entradas longas neste momento estão fora de questão. Terá de dar muitas provas de força antes de me levar a correr esse risco…

Deixe uma resposta